Às vezes desejamos a vida dos outros quando, em alguns aspectos, eles vivenciam o que gostaríamos de desfrutar. Seja uma carreira de sucesso, um casamento glamoroso, um corpo bem definido, um rosto harmonioso, uma família integrada, uma situação financeira abundante etc. Afinal, vivemos na Era das GRANDES expectativas, cuja “promessa” mais ofertada é a de uma vida plena e feliz.

Porém, não se engane, porque ninguém acorda sorrindo e belo(a) todo dia. Saiba que aquela foto que você viu na internet em que a pessoa ficou linda, representa uma das duas mil poses que ela fez para sair bonita daquele jeito. Pois existe uma máxima das redes sociais que diz: “Ninguém é tão bela quanto a foto que posta, nem tão feia quanto a foto que é marcada”.

Por isso, não se cobre tanto pelo que é fictício. Você não está sozinho. Tem dias que acordamos sem vontade de fazer nada, mas tudo bem, a vida é assim. Não somos felizes e motivados 24 horas, aceite, não há nada de mal nisso. A vida é a realidade do dia-a-dia e o sofrimento torna-se mais o fruto das nossas falsas expectativas.

Posto isto, recentemente assisti a palestra de um homem bem sucedido, magro, alto, bonito e feliz em seu casamento. Ele morava na casa dos sonhos, tinha filhos perfeitos e se dizia realizado profissionalmente, além de ser inteligente, engraçado, carismático e pelo caminhar da carruagem só faltou dizer que era bem dotado.

O sujeito parecia o modelo de um comercial de margarina, daqueles em que a fartura sobre a mesa não condiz com o corpo fitness ali apresentado. Eu por exemplo, com a metade do banquete à disposição, já teria duplicado o meu peso. Porém, claro, esqueci de mencionar que o palestrante também era dedicado, disciplinado e comprometido com os resultados.

Não sei quanto a vocês, mas eu desconfio de tal plenitude em um universo tão controverso e repleto de adversidades como o nosso. Prefiro crer numa vida dinâmica entre altos e baixos que intercalados aprimoram o nosso processo de aprendizado. Logo, não cultuo a felicidade plena, pois não descarto a necessidade do erro e da perda para o nosso aperfeiçoamento.

Lógico que, também não sou devoto do sofrimento como mecanismo essencial para o nosso crescimento, uma vez que podemos aprender pelo “amor” e pelo acerto, o que muitos insistem em aprender pela “dor” e pelo erro. Porém, para tanto, precisamos ELEVAR o nosso NÍVEL de CONSCIÊNCIA para ficarmos mais atentos ao significado de cada acontecimento. Aprender a trocar o porquê, pelo “paraquê” nos deparamos com certos infortúnios.

Desse modo, sou adepto do maior de todos os aprendizados – o denominado – Faculdade da Vida. Um aprendizado diário que não nos é repassado, mas sim, sentido na pele e bem aproveitado, quando internalizado da maneira correta, gerando reflexão, conscientização e boas tomadas de decisões.

Entendo o desenvolvimento humano como um processo gradativo, cujo resultado passa pelo crivo do nosso – Querer, Acreditar, Agir e, principalmente, se CAPACITAR. Até porque, nada vem de graça e tudo chega ao seu tempo. Não adianta se deparar com a tão sonhada oportunidade, se você não estiver preparado para aproveitá-la. Pois, diz um ditado popular que – “oportunidades são como cavalos selados que muitas vezes passam uma única vez na nossa frente”, porém, de que adianta se deparar com um cavalo selado se você não souber montá-lo?

Nesse sentido, se você trabalha no setor corporativo, saiba que nunca será promovido, se não tiver as devidas competências para o cargo, pois já foi-se a época em que, quem tivesse mais tempo de empresa, era reconhecido e promovido. Atualmente, principalmente em épocas de crise, o mérito é para quem entrega resultados. Logo, não se iluda, se quer crescer, faça por merecer. Dedique parte do seu tempo para se desenvolver, porque se fosse fácil, todo ser humano seria realizado profissionalmente.

Porém, na contramão de uma conquista que é de médio e longo prazo, surge uma promessa de caráter imediato. São alguns Pseudos-Gurus que se apropriam de uma plenitude fictícia para apresenta-la como modelo de vida perfeita e vender seu método para ter alcançado tais resultados. Tornou-se uma verdadeira febre, em que, de cima de um palco, eles ficam ricos, ensinando uma grande MAIORIA que nunca ficará rica – a seguir seus passos.

Serão apenas POUCOS gatos pingados que obterão êxito e servirão como exemplo de que tal método gera resultados. No entanto, o que você talvez não saiba, é que essa turma que se destaca, daria certo com qualquer outro método, pois o sucesso nem sempre é do processo, mas sim, do preparo e das características do sujeito que o emprega.

A exemplo, podemos jogar com um time profissional de futebol e levar uma verdadeira goleada por ser uma expertise que eles dominam. Todavia, existe uma enorme probabilidade de perdermos para esse mesmo time, caso o jogo seja de vôlei, basquete etc. Isso ocorre, pois antes de tudo, tratam-se de atletas profissionais, cujo preparo físico, senso coletivo, resistência e tantas outras competências já estão impregnadas no seu “DNA” (cotidiano).

Nesse sentido, defendo o preparo como divisor de águas para qualquer resultado. Não compartilho da teoria de que “querer é poder”, “todo mundo é capaz” ou “creia que o universo atrai”. O que atrai mesmo são os nossos esforços e estar em movimento constante. Há quem diga que sou um Palestrante Motivacional, mas denomino-me como um Motivador da Alta Performance, pois inspiro pessoas a buscarem resultados através do preparo.

De certo ninguém vai performar bem se não estiver motivado, porém, motivação sem preparo também não leva ninguém a lugar nenhum. Quando motivo uma equipe despreparada, gero atitude em quem não tem conhecimento, mas sem conhecimento dificilmente obtém-se bons resultados. Na Era da informação, não seja um desinformado. Alinhe-se aos novos tempos e invista para o seu crescimento contínuo.

Reflita sobre sua conduta e fuja das propostas de caminhos fáceis contidas em 7 passos, pois em um mundo com tantas repetições, modelos e padrões, quem se destaca são os que agem na contramão do modismo, que representam e assumem a sua identidade, que respeitam e valorizam as suas características, que se aperfeiçoam conforme suas predileções e aptidões. Não perca a sua originalidade ou a oportunidade de deixar sua marca por ser quem é. Afinal, o que lhe torna único é a sua diferença.

Você deseja obter melhores resultados? Então comprometa-se com suas ações e abandone a soneca do seu celular, pois cada 5 minutos a mais dormido, pode ser a diferença que levou seu modelo ou “concorrente” para outro patamar. Valha-se da lei do maior esforço, caso queira ir mais longe. Calcule o preço que você está disposto a pagar para poder alcançar seus objetivos e eleja qual é o seu pódio.

Eu por exemplo, espelho-me no Leandro Karnal como modelo intelectual e profissional do palco, porém, não teria a menor condição física de cumprir metade da sua agenda como palestrante, nem a pretensão intelectual de estudar o mesmo tanto para deter tamanho conhecimento. Portanto, consciente dos meus limites e propósitos, alinho-me aos meus interesses e a minha capacidade para ocupar o MEU espaço.

Compreenda que, toda e qualquer área bem sucedida na vida de uma pessoa, seja o corpo, a profissão, o relacionamento, dentre outros, foi e permanece sendo uma conquista de esforços e sacrifícios diários. Mesmo porque, manter chega a ser mais difícil do que alcançar. Eu que o diga com o meu efeito sanfona, em que emagreço quando quero, mas depois engordo sem querer. Da mesma forma ocorre com um relacionamento ou uma profissão que não se dá “manutenção”, o rendimento baixa e a concorrência lhe toma.

Enfim, nada vem de graça, logo, se você quer conquistar algo, reflita sobre o seu projeto de vida e analise se – O que você tem feito hoje irá lhe levar onde quer chegar? Depois volte a se questionar, se as ações adotadas para alcançar seus objetivos são comportamentos sustentáveis que você está disposto a manter para o resto da sua vida? Porque barriga tanquinho “todo mundo quer ter”, mas permanecer na disciplina da dieta e do exercício físico praticamente todo dia – é o que eu quero ver. Por isso, inveje menos e faça o que precisa ser feito para alcançar sua meta, pois não é a vida do outro que é boa, é a sua que está indisciplinada demais.

OBS: Vida boa é algo relativo e subjetivo. O que é bom para alguns, pode não ser bom para você. Não siga modismo, seja fiel as suas prioridades e aos seus valores para futuramente não se descobrir infeliz por viver a vida dos outros.

PS: Caso não queira perder meus textos e passar a recebê-los por e-mail, cadastre-se em: http://eepurl.com/cbLNpT

Márcio Vaz
Palestrante, Psicólogo e Coach
www.marciovaz.net

#Empreendedorismo #Palestras #Psicologia #Coaching  #Comportamento #Gestão #Superação #Motivação #Autoconhecimento #MárcioVaz Autoestima

Compartilhe: